15/08/2009

Para pensar...

O egoísmo pessoal, o comodismo, a falta de generosidade, as pequenas cobardias do quotidiano, tudo isto contribui para essa perniciosa forma de cegueira mental que consiste em estar no mundo e não ver o mundo, ou só ver dele o que, em cada momento, for susceptível de servir os nossos interesses. (José Saramago)

Li isto e não resisti em colocar... verdade em demasia, para ficar indiferente!

Partida...

Dizem que a terra por lá é vermelha... e que quando chove fica no ar um "cheirinho a África"! Desta vez, ao viajar, poderei suspirar novamente: "África"... Chuva densa diariamente, falta de electricidade e de água canalizada, gente dócil e acolhedora, taxis inesquecíveis, um sol e uma lua imperdíveis... Encontrarei isto, com toda a certeza, e muito mais!
Procuro o meu embondeiro... (se o Principezinho tinha um, eu também tenho!!). E debaixo do meu embondeiro espalharei todas as minhas lembranças, todas as minhas recordações... aí sim, vou poder saborear a minha chegada a África!
Diz quem por lá andou muito tempo, que aquele continente tem um sussurro incessante... chama-te e desafia-te a vivê-lo intensamente. Esse sussurro inquietante move-me, transporta-me...
T.I.A. (This Is Africa): finalmente será verdade, aí vou eu!!!

PS- Próximas novidades, a 31 de Agosto, quando regressar! Boas férias a todos!

11/08/2009

A pedido de muitas famílias...

Como é, talvez, um dos meus posts mais comentados (5 comentários, VIVA!!) segue a continuação da malta que tem uma entrada animada no casamento... agora, eis o divórcio!!! (Obrigado Liliana pela dica!!)

video

07/08/2009

Os 4 mosqueteiros!

Eles vão-se juntar de novo... talvez para recordar os bons velhos tempos, talvez para continuarem a fazer "das suas" mas aquilo que me alegra mais é saber que vou estar com as 3 pessoas com quem mais partilhei nos 5 anos da faculdade: Cinfães, Costa, Viseu e Carneiro, os 4 mosqueteiros reunem-se hoje, em Viseu, e voltam a vestir o seu traje!

Tenham cuidado... tenham muito cuidado, eles ANDEM aí!!!!

05/08/2009

Gambozinos II

As Tias e a Mamã tomaram conta do bar na última noite, depois de terem tomado conta (e de que maneira e com que qualidade) dos nossos estômagos e alma durante o campo...



Guarda-redes da Final da Gamboliga: 1 golo e 3 penaltis defendidos... por ventura o melhor registo de sempre, eh eh eh



A equipa vencedora da Gamboliga 2009... que grande equipa!


As majoretes no serão musical, em momentos épicos e inesquecíveis!!



Éramos 58... mas mais parecia uma grande família!



Uma das muitas (e boas) refeições... com o Eduardo, o Fábio e eu...


"Nós é que somos os animadores, potentes como tractores, muito amiguinhos das flores e de vocês... NÃO!!!" Mas afinal quem é que manda aqui????



Algures pela Roda, momento antes dum banho talvez...



Juri do 100% cultura, sempre atento e decidido...

PS- Obrigado à Tia Diana pelas fotografias enviadas duma forma tão célere... no Norte trabalha-se de outra maneira e com outra eficácia, eh eh eh!!

Cheirinho a Férias!!!

Digam lá se este vídeo não tem um cheirinho a férias?!?!?!?

video

04/08/2009

Gambozinos II - Regresso

O campo terminou na Mizarela, a 2 de Agosto de 2009... ficaram as memórias, os sorrisos e a certeza de que foi pleno de sucesso e de aprendizagem... mais notícias colocarei aqui, depois de digerir melhor o que por lá foi acontecendo... porque foi demasiada informação, demasiadas Graças, demasiadas emoções. Missão cumprida? Sem dúvida alguma...


Fui à Wikipédia procurar respostas...

"Os gambozinos são seres imaginários que, segundo a superstição popular, vivem no campo, embora algumas espécies já tenham se adaptado e hoje também se possam encontrar nos recantos sombrios e húmidos dos parques de algumas cidades. No dicionário, são descritos como uma espécie de pássaros ou peixes, embora haja quem ache que possam ser parecidos com o pirilampo, com o dragão marinho ou com o ouriço. Há quem ache que são seres da família dos vegetais que vivem debaixo da terra; no começo do século XX houve quem os descrevesse apenas como “pequenos bolbos de uma espécie de lírio” que podem ser comidos. A ideia que se faz destes seres varia conforme a imaginação de cada um.

O glossário escutista define estes seres como um “animal de características especiais, nocturno, e que é muito difícil de caçar. Normalmente caçam-se nos acampamentos.”

A caça aos gambozinos faz-se geralmente de noite, é muito popular em Portugal e em várias regiões da Espanha, como na Galiza, onde a estação de caça está aberta o ano inteiro, e não requer nenhuma licença especial para a prática desta actividade. A caça ao gambozino não visa a obtenção de alimento mas a conservação de tradições, é por isso considerada um desporto. Tradicionalmente são usados sacos de sarapilheira para os capturar. É tradição organizar caçadas aos gambozinos e convidar pessoas ingénuas para ir junto. Frequentemente, são levados nestas caçadas irmãos ou sobrinhos mais novos; é por isso visto como um desporto de família.

A caça aos gambozinos é considerada uma prática ancestral, e, conforme conta Ferraz (1895) no fim do século XIX, quando alguém concordava em ir à caça dos gambozinos “[…] levavam-na uma noite sombria a um sitio escuro e medonho, e collocavam-na com um saco aberto ao pé de um buraco, como para agarrar nella os gambozinos, que costumavam sahir por alli; e assim deixavam ficar o incauto, às vezes, até pela manhã indo-se embora, sob qualquer pretexto, a pessoa que o lá levou”. Em algumas regiões do País a tradição conta também que se deve levar uma lanterna a qual, quando se chega ao lugar desejado, é apagada deixado o ingénuo às escuras e saindo logo de seguida quem para lá o levou. Para atestar a antiguidade da tradição, Ferraz comenta ainda que “[…] d’este costume se não contam casos modernos, mas antigos, não se apontando mesmo ninguém que se tenha sujeitado a semelhante caçada”.

Embora não haja notícia de alguém que alguma vez tenha visto um gambozino, é "frequente" ouvir um ou outro fanfarrão dizer que já caçou dois ou três gambozinos, só para se vangloriar.

Acredita-se que o canto de algumas espécies de gambozinos têm propriedades especiais, que podem ser identificadas nos seguintes versos de João Monge:

“O teu coração parece
Uma pedra sem destino
Dizem que só amolece
Ao canto de um gambozino”


Gostei, particularmente, da definição do glossário escutista!!!! Ser Gambozino é ser sorriso... como o da foto: puro e genuíno, uno e verdadeiro!!!